Imprimir

A Batalha de Aljubarrota

Escrito por Aycart. Publicado em Blog (PT)

AljubarrotaPor Alfonso López Beltran*

Esta batalha é praticamente desconhecida para os espanhóis pois não é mencionada nos livros de texto, se calhar umas poucas linhas , este post é um pequeno resumo que ajudará a compreender este "silêncio histórico". É bem certo que na Espanha das autonomias os alunos estudam apenas a história das suas regiões e não do conjunto do estado espanhol, crasso erro.

A Batalha de Aljubarrota aconteceu no 14 de Agosto de 1385 e é uma das batalhas mais importantes da Baixa Idade Média, nesta batalha enfrentaram-se o exercito português e os seus aliados ingleses (João I) contra o exercito castelhano (Juan I) e os seus aliados franceses e italianos (arqueiros genoveses mercenários). Esta batalha é muito importante por três motivos principais: o mais importante é a confirmação da independência  de Portugal e o fim das aspirações de Castela ao trono português, em segundo lugar é a primeira batalha na Península Ibérica onde foi usado o arco inglês fora de Inglaterra  que contribuiu de uma maneira muito importante à consecução da victória, em terceiro lugar, as forças que enfrentaram-se eram desproporcionadas, 30.000 castelhanos contra 9.000 portugueses e 400 arqueiros ingleses.

Apenas 30 anos depois , em 1415 os franceses cometem o mesmo erro, embora de ser um exercito muito mais numeroso de 25.000 homens contra apenas 6000 ingleses, estos últimos conseguem derrotá-los na batalha de Agincourt. Os ingleses dispunham de 1500 arqueiros perfeitamente treinados com o famoso arco "long bow" (1,80 m), no bando contrario os franceses dispunham de 7.000 arqueiros e apesar disso a derrota foi calamitosa.

Porque foi derrotado um exercito tão numeroso na batalha de Aljubarrota?

O seguinte texto nos ajudará a compreender porque um exercito tão numeroso foi derrotado e deixou trás de si 5.000 mortos enquanto do lado português houve apenas 1.000 baixas.

aljubarrota 21) Poucas horas antes da batalha o lugar-tenente do rei João I de Portugal, Nuno Alvares Pereira decide fazer buracos no chão (covas de lobo), que seriam disfarçados com ervas e ramagens, quando a temível cavaleira francesa arremete com força, os cavalos esbarram-se e caem uns acima dos outros, os cavaleiros quase todos franceses, aliados dos espanhóis, não podem levantar-se do chão com as suas pesadas armaduras e são rematados aos machados.

Pode-se ver uma fotografia das escavações arqueológicas de 1956 que tiraram à luz estas armadilhas, hoje estão tapadas e podemos ver como as ovelhas passeiam tranquilas por estes campos que há 8 séculos tinham se do vermelho do sangue de portugueses e castelhanos.

aljubarrota 32) O arco inglês , The Long Bow. Este arco tinha um comprimento de 1,80 m, um arqueiro inglês bem treinado podia disparar 12 setas por minuto. As setas podiam atravessar uma armadura e sair limpamente pelas costas inclusive a 100 m de distância. Em baixo podemos ver alguns exemplos dos efeitos dum disparo  de seta a curta distância, no lugar da batalha foram achados ossos com ferimentos temíveis. 

 

aljubarrota 43) O rol da cavalaria portuguesa foi muito importante, no fragor da batalha, a cavalaria portuguesa com uma manobra rápida pelo flanco consegue chegar até a tenda do rei Castelhano, Juan I, o que criou grande desconcerto nas fias castelhanas.

Na cidade de Batalha perto de Leiria existe um centro de interpretação da batalha de Aljubarrota com uma exibição de armas, há também material audiovisual que ajuda a compreender a batalha e os antecedentes históricos que a provocaram.

Nota: Aconselho visitar o Mosteiro de Santa Maria da Vitória de estilo gótico que foi levantado para comemorar esta vitória.

O arco longo, The Long Bow

O arco inglês é na realidade um invento galês, foi adotado pelos ingleses por volta do século 12 apos comprovar os temíveis efeitos desta arma tão singular. Estava feito de madeiras nobres como teixo ou olmo, a corda estava feita de tripa de animal. Os arqueiros eram uma tropa de elite, começavam o seu treino à idade de 7 anos, após de vários anos conseguiam disparar de 10 a 15 setas por minuto.

O seguinte vídeo mostra como disparar com esta arma tão efetiva. Pesaroso, é em Inglês.
https://www.youtube.com/watch?v=YtTyOf8OCKg

* Nuestro agradecimiento a D. Alfonso López Beltran que ha sido tan gentil como para permitir la reproducción de su texto en nuestro blog; al pie dejamos el link a la fuente.

Aljubarrota

Imprimir

Obesidade crise maior do que a fome saúde

Publicado em Blog (PT)

london-crowd-story-topPor Danielle Dellorto
CNN; 14 de dezembro de 2012

RELATÓRIO GLOBAL

Destaques da história

  • A Carga Global de Doenças Relatório revela uma enorme mudança nas tendências de saúde
  • Obesidade, em todo o mundo tem aumentado de 82% nas duas últimas décadas
  • Causas de doenças como acidente vascular cerebral e doenças cardíacas são líderes de anos passados ​​doente ou ferido

A obesidade é uma crise de saúde global maior do que a fome, e a principal causa de incapacidade em todo o mundo, de acordo com um novo relatório publicado quinta-feira na revista médica britânica The Lancet.

Cerca de 500 pesquisadores de 50 países comparados dados de saúde de 1990 a 2010 para o Global Burden of Disease relatório (Global Burden of Disease report), revelando o que eles chamam de uma grande mudança nas tendências globais de saúde.

"Nós descobrimos que houve uma grande mudança na mortalidade. Crianças que morriam de doenças infecciosas estão indo muito bem com a imunização", disse Ali Mokdad, co-autor do estudo e professor de saúde global do Instituto de Metodologia da Saúde e Avaliação da Universidade de Washington, que liderou o projectou colaborativo.

"No entanto, o mundo agora é obesa e estamos vendo o impacto disso."

O relatório revelou que cada país, com a excepção das subsaarianas, enfrenta taxas de obesidade alarmantes, um aumento de 82% globalmente nas últimas duas décadas. Países do Oriente Médio são mais obesos do que nunca, vendo um aumento de 100% desde 1990.

"O chamado" estilo de vida ocidental "está sendo adaptado em todo o mundo, e os impactos são todos iguais", Mokdad disse.

O problema de saúde a partir de índices de massa corporal elevado agora supera a da fome, de acordo com o relatório.

E, pela primeira vez, as doenças não transmissíveis, como acidente vascular cerebral, diabetes e doenças do coração topo da lista de causas de anos passados ​​doentes ou feridos.

Tempo para tratar de uma epidemia negligenciada mundial

"Todos esses problemas estão ligados à obesidade", Mokdad disse. "Estamos mesmo vendo uma grande percentagem de pessoas que sofrem dor nas costas agora. Se pudéssemos reduzir as taxas de obesidade, veríamos o número de doenças não transmissíveis e diminuição da dor também."

As pessoas estão vivendo mais tempo do que o previsto em 1990. Em média, 10,7 anos a mais para os homens, e 12,6 anos a mais para as mulheres. Mas, para muitos deles, a qualidade de vida durante esses anos não é bom. Em média, as pessoas são atormentadas por doença ou dor durante os últimos 14 anos de vida, de acordo com o estudo.

Pesquisadores adiantamentos de crédito em tecnologia médica para vidas mais longas.

"Nós descobrimos como para manter a pessoa que sofreu um acidente vascular cerebral vivo, mas então eles estão vivendo desativado por muitos anos depois. Essa não é a qualidade de vida que a pessoa esperava", Mokdad disse.

Nos países ocidentais, as mortes por doenças do coração estão abaixo de 70%. No entanto, o número de pessoas diagnosticadas com a doença cardíaca está aumentando em taxas alarmantes.

As doenças não transmissíveis (DNT) são um desafio global de "proporções epidémicas", de acordo com a Dra. Margaret Chan, directora-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Em um discurso para a Assembleia Geral da ONU no ano passado, ela disse DNT são um "desastre em câmara lenta" que, eventualmente, poderia quebrar o banco.

Estudo: mundo está ficando mais gordo, tem de parar

Líderes deu início a uma reunião de dois dias na ONU que ano a aprovação de uma "declaração política" destinada a conter a onda crescente de doenças não transmissíveis. Foi apenas a segunda vez que um problema de saúde foi debatida em uma reunião especial da Assembleia Geral, após a promessa do grupo há uma década para combater a AIDS.

Mudando o foco do tratamento de doenças não transmissíveis, a proibir que pode ser benéfico para a economia também.

DNT vai custar mais de US $ 30 triliões nos próximos 20 anos, de acordo com um relatório de 2011 do Fórum Económico Mundial e da Harvard School of Public Health. Eles estimam um adicional de $ 16 trillion será gasto em condições de saúde mental, custos que poderia levar milhões de pessoas à pobreza, dizem os economistas.

"Esperamos que os políticos vão prestar atenção a esses números e descobrir o que eles podem implementar programas de intervir sobre estas tendências", Mokdad disse.

 

Mais informações http://www.ncdalliance.org/node/3265